5 de Setembro de 2014

"...but I won't be in his debt."
DARK AGES #1
Dan Abnett & I.N.J. Culbard
Dark Horse Comics, 2014
22 págs., tetracromia, floppy

A paz não é só um desejo esperançoso proferido por uma miss ofuscada pelos holofotes, é também angústia e miséria para aqueles que vivem de esmagar crânios com espadas rombas e pesadas.
Um grupo de mercenários medievais percorre uma paisagem bucólica, a vida entre as campanhas é difícil e a fome começa a sobrepor-se à moral, o conflito é forma de subsistência e os céus estão prestes a responder às preces resignadas do grupo. Literalmente.
"Dark Ages" é uma espécie de "Guerra dos Mundos" quinhentos anos antes.
É uma leitura demasiado rápida, o conflito é a principal força motriz da história e a principal função deste primeiro número é levantar questões. Há uma tensão religiosa subjacente ao texto, por um lado temos soldados com uma atitude quase ateísta motivada por uma vivência de privações e de morte, por outro, procuram auxílio num mosteiro que é mais do que parece pois aguardava a chegada dos visitantes - os de outros mundos. Não sei se associar os adeptos religiosos às monstruosidades destrutivas será uma crítica pouco subtil à religião. Vamos ver.
A simplicidade também se encontra no plano visual, os desenhos limpos de Culbard poderão não ser do agrado de todos (não é o meu caso), especialmente daqueles que procuram os pormenores macabros de uma amputação.
Julgo tratar-se, muito provavelmente, de uma história que poderia ser contada em menos páginas e que ficaria muito bem na revista britânica 2000 AD. Não estou a ver um público americano a perder muito tempo com esta bd tendo em conta as muitas e boas alternativas que tem agora à sua disposição.

September 1, 2014

"No colaboration. No capitulation"
LAZARUS, VOL. 2: LIFT
Greg Rucka & Michael Lark
Image Comics, 2014
104 pages, cmyk, digital

The second volume of Lazarus continues to explore the dystopian future where the stratification of society is taken to an extreme. 
"Lazarus" is the story of Forever "Eve" Carlyle, a genetically engineered human whose sole purpose is the protection of her family, one of the elites that control society. Eve is starting to doubt her place in the world, specially after receiving a message that sugests that she is being tricked into believing that the Carlyles are her true family. But that seems to be a notion that will be further explored in upcoming volumes.
In this volume the focus is cast upon the Barrets, a family of "waste" (the caste in the lower strata of society) and their struggles to make a living in a world where resources  are manipulated by a small group of people and where they can be taken hostage by their whims and desires. After losing most of their possessions due to a natural disaster, their only chance to survive is entering the "Lift",  a process where through extensive and rigorous tests, a few of the "waste" can rise in social significance by becoming "serf", the servants of the upper families. For this chance they are willing to sacrifice everything, and unfortunately for the Barrets, at a greater cost than expected. But not all "waste" are willing to participate in what is a clear mechanism of social control and see the "Lift" as an opportunity to strike back at their oppressors.
Another element of this book, we delve further into Eve's relationship with her father and sibblings, particularly her sister Johanna, and understand that, very much like the lower caste, the elite also have their parts to play in the name of family.
Rucka is an excelent all-around writer and Lark is an amazing artist with his realistic but unstilted representations that are flawless in conveying motion and emotion. I just can't praise this book enough.
If you're into post-apocalyptic stories with a heart, this is your book.

August 31, 2014

"I guarantee there's a "why"."
DISPLACED PERSONS
Derek McCulloch & Anthony Peruzzo
Image Comics, 2014
168 pages, cmyk, digital

The past exists through memory, there are a few things we know about it: it can be our connection to others; remembering it is crucial to avoid repeating mistakes; knowing about it can give us a better understanding of where we're heading.
"Displaced Persons" is as much about the past as it is about family.
Strange disappearances afflict the Martinez-Abramowitz-Price-Hayes-Schroeder family (read the comic, you'll get what I'm saying and why I chose this particular order) throughout its history, people seem to disappear into thin air without explanation, leaving behind grieving and broken others. But life goes on, as it should.
There's a lot to understand about "Displaced Persons", it's an entertaining comic and can be read as such, but it is also an incredibly intelligent and layered read. Derek McCulloch's achieves a sort of reverberation by the way he sets up certain "notes" that are replayed along the story, giving them a stronger and deeper meaning. Also, great dialogue and characters (one of these days I have to write something about Davy Abramowitz and his greater meaning in the book) and a solid internal logic that forces the reader to think if he/she chooses to.
Anthony Peruzzo's art is beautiful, earthy and subtly consistent, specially in terms of facial representation. There are a couple of pages that have an unfortunate layout and the reader's eyes drop to the next strip before finishing the first one, but once you get used to that choice it rarely occurs again.
But what makes you take notice about Peruzzo is his colouring, at first seemingly subdued, then you realize that it serves narrative purposes and everything makes sense.
"Displaced Persons" is a moving and, again, intelligent read and everyone should read it.

30 de Agosto de 2014

"He was there."
REVIVAL, VOL. 1 : YOU'RE AMONG FRIENDS
Tim Seeley, Mike Norton &  Mark Englert
Image Comics, 2012
128 págs., tetracromia, digital

A pequena cidade de Wausau, no interior do Wisconsin (E.U.A., claro), viu-se a braços com um fenómeno de proporções bíblicas: os mortos estão a voltar à vida. Parece ser um evento localizado e as autoridades estão a fazer o possível para controlar a situação e impedir o pânico geral.
Ao contrário do que seria de esperar, a figura do zombie tarda a surgir, as pessoas ressuscitadas parecem manter-se como eram em vida.
Como reagir quando um nosso familiar regressa? Devemos encará-lo como uma segunda oportunidade ou devemos prestar atenção àquele receio provocado pelo que sabemos não ser natural ?
O ponto mais forte desta bd é precisamente este explorar das diferentes situações que advêm da ressurreição. Não é um fenómeno milagroso que apaga a vida antes da morte. A imortalidade pode ser um preço pesado a pagar quando a morte foi cura para sofrimento atroz.
Eventualmente as coisas acabam por descambar e alguns destes recentes "lázaros" começam a acusar esta nova vida.
"Revival" tem um elenco, ambiente e ritmo que podiam muito bem pertencer a uma série de televisão e se calhar foi por esse sentimento provocado em mim - o de que se tratava de uma "bd para tv" - que me dificultou a leitura deste livro. Desenganem-se aqueles que acham que isso significa que é uma má banda desenhada, não é, as personagens são complexas, tem um enredo interessante e misterioso e o aspecto visual é bem desenvolvido. É questão de gosto pessoal e de ter tido a ideia estúpida de ler as bds do Humble Bundle todas seguidas e ainda me faltar uma (Chew, relativamente a Saga já tinha escrito algo).
Se há no leitor aquele vício de quem devora episódios de séries de tv com tendências sobrenaturais e/ou fantásticas, esta é uma bd a ler.