2 de Fevereiro de 2018

"If everyone dies, what shall the god of death do?!"
Ulises Farinas, Erick Freitas & Daniel Irizarri 
CLOUDIA & REX #1 (of 3)
Lion Forge Comics, 2017
23 págs., tetracromia, floppy


Nem há meio milhão de anos que a Humanidade calcorreia a Terra e quase desde o início sentiu a necessidade de companhia, de supervisão.
Há quase tantos panteões de deuses como civilizações humanas, plenos de divindades que representam as nossas inseguranças e dúvidas existenciais. E qual a maior que a morte?
Nos reinos divinos está a decorrer uma limpeza, os deuses estão a ser eliminados e substituídos por uma divindade única. Nem todos vão deixar que isso aconteça sem dar luta ou, neste caso, fuga. Thanatos (a Morte) e Hypnos (o Sonho) são dois deuses irmãos que decidiram - a iniciativa e plano partiu do primeiro, o perito da não-existência - não ficar no espaço transcendental à espera do oblívio. Com a ajuda de Ala, deusa do renascimento, partem para o plano terreno e, aparentemente, encontram santuário nos corpos de Cloudia e Rex, duas adolescentes em processo de mudança de casa após a perda do pai. Sempre com consciência de si mesmas (com os deuses no lugar do passageiro), Cloudia ganha uma força extraordinária e Rex é transformada num dos seus animais pré-históricos favoritos, um rinoceronte lanudo.
Claro, não seria uma verdadeira fuga se não houvessem perseguidores.

Quanto à escrita, a história parece engraçada, neste capítulo introdutório há pouco desenvolvimento de personagens - Cloudia apresenta-se como um estereótipo hiperbólico da adolescente revoltada - sendo que Thanatos é a mais desenvolvida. O enredo tem conotações metarreligiosas interessantes e potencial para mais.

A arte é também interessante, há um traço chorudo como se tivesse sido ampliado para o formato; o design de personagens é óptimo, os deuses têm todos um aspecto singular e facilmente identificável.

Esta bd traz à memória um webcomic que li há algum tempo -"Kill 6 billion demons" - pela variedade de personagens e temas semelhantes. Vou ler a colecção e digo-vos algo mais tarde (ou não).

Sem comentários:

Enviar um comentário